Amadores podem fazer uma História em Quadrinhos?

Existe talento para desenho?


Ou melhor, Existe Talento?


Não vou chegar chegando e já dizer que "não", assim logo de cara.


Existem sim, pessoas, com mais facilidade que outras em fazer coisas específicas. Mas não é como se elas nascessem com um carimbo na testa escrito:


"O Escolhido dos Quadrinhos!"


É sério, não existe isso.


As facilidades que alguém tem para determinada atividade, tem mais a ver com a personalidade, e isso não quer dizer que quem não tem facilidade também não pode fazer nada bem.


Eu sempre fui mais paciente e observadora, desde menina. Por isso, quando percebi que eu podia copiar imagens da forma como eu as via, apenas atentando para detalhes como a forma e a proporção, logo comecei a fazer vários desenhos incríveis para a minha idade. Muita gente dizia "Uau! Que incrível!", mas eu sabia que não era nada de mais.


Este é um o meu primeiro desenho de observação, usei uma imagem de um livro da oitava série (hoje, nono ano) que era a série que eu estava, como referência.

E aqui em baixo, a imagem do meu livro (sim, eu guardei ele):

Dá para ver que não é profissional, tanto que eu nem arrisquei fazer o filhote, e dá para ver como que a carne que desenhei sem referência é diferente do estilo mais naturalista da onça. Na época, eu gostei do resultado, e quis fazer navamente. Era um daqueles momentos em sala de aula, que tu não tá a fim de nada, aí eu peguei o meu caderno, meu livro de ciências, e fiz mais um:


Eu ainda não entendia teoria das cores, luz e sombra, nada disso. Mas sabia que se tinha branco na pata, mesmo que ela fosse amarela, eu ía colocar branco. Como o resultado me pareceu incrível, quis fazer mais. Foi aí que surgiram lobos, leões, tigres, macacos, e muito mais.


Eu impressionava as pessoas e conseguia um pouco de atenção, coisa que uma menina introvertida como eu quase nunca tinha, e até que era legal ter de vez em quando. O que ninguém sabia, era que eu não tinha talento coisa nenhuma! Na verdade, eu só sabia aonde colocar os traços. Eu não sabia desenhar de verdade.


Olha só alguns desenhos da mesma época:


Como alguém desenha naturalista (ilustrações mais parecidas com a imagem real) e não desenha mangá? Acontece que eu não sabia desenhar mesmo! Gente! Não é talento! Olha só, na mesma época, o mesmo personagem, com referência:



A única diferença de quem faz isso sem um curso, pra quem não faz, é que quem faz, descobriu algo que quem não faz não sabe. Confuso? Vou explicar.


Quando comecei o meu primeiro curso na área da arte, em um lugar do qual eu já era fã há anos, a Casa dos Quadrinhos, eu descobri na prática (porque eu já sabia) que eu era só mais uma das muitas pessoas que cresceram bajuladas por causa das suas "habilidades".


Em pouco tempo no curso de Artes Visuais, eu percebi que o que eu tinha sacado, que me fazia desenhar tão bem, era só a ponta do iceberg. Na verdade, não era nem isso! Minha personalidade observadora apenas me mostrou uma informação básica sobre desenho: "todo mundo pode desenhar, basta saber como". Umas das principais coisas que pouca gente sabe, é que desenhista não faz desenho de cabeça, logo de cara. Ele começa aprendendo a observar o mundo ao seu redor, usa imagens como referência, e aos poucos, vai assimilando como as coisas são, só depois começam a fazer desenhos de cabeça. Eu mesma, só fui aprender a fazer desenhos de cabeça, no curso, depois de muita prática usando referência. E vou te contar mais: "é mais fácil do que parece!" Se você aprende a usar referências, rapidamente começa a fazer artes muito bonitas (nesse caso, só copiando).



E ainda em mais! Desenhar bem não é, nem de longe, o suficiente para fazer uma boa História em Quadrinhos.


É... Isso mesmo!


Eu já vi muita, mas muita, mas muita HQ linda! Mas que a história não era nem um pouco envolvente.


E não é só por causa da ideia não. O tema até que era criativo, parecia uma boa ideia. Só que a ideia foi mal executada. A linguagem dos quadrinhos precisa ser bem usada, para impactar e entreter o leitor, o roteiro precisa ser equilibrado, para garantir uma boa imersão na história.


História boa, é aquela que cumpre com o que se propõe.


Se a história é de terror, tem que assustar! Se é de comédia, tem que ser engraçada! Se é de ação, tem que empolgar! Se é de filosofia, tem que fazer pensar. E assim por diante.


Quando criança, eu escrevia bastante. Escrevia para mim mesma. E sabia, que faltava muita coisa para a história ficar boa. Quando era pequena, e comecei a fazer quadrinhos nas páginas que sobravam dos meus cadernos no fim de ano, percebi que eu era péssima nisso, mas gostava tanto, que não queria parar.


Personagens com o mesmo rosto, roupas sem graça, sem nada de especial, histórias cheias de clichês mal utilizados, roteiros copiados de coisas que eu costu